22/06/2024 às 14h23min - Atualizada em 25/06/2024 às 09h24min

Por que astronautas da Starliner, da Boeing, ainda não voltaram à Terra?

Nasa anunciou que retorno da espaçonave não deve acontecer antes do início de julho; entenda atrasos da missão

CNN Brasil
https://www.cnnbrasil.com.br/tecnologia/por-que-astronautas-da-starliner-da-boeing-ainda-nao-voltaram-a-terra/


A espaçonave Starliner da Boeing estava prestes a marcar sua maior conquista neste mês: transportar dois astronautas da Nasa (agência espacial dos Estados Unidos) em uma viagem de ida e volta à Estação Espacial Internacional (ISS), provando que a cápsula, há muito tempo atrasada e acima do orçamento, está à altura da tarefa.

A Starliner está a meio caminho desse objetivo.

Mas os dois astronautas veteranos pilotando este voo de teste estão agora em uma posição incerta — estendendo sua estadia a bordo da estação espacial pela segunda vez, enquanto engenheiros em terra correm para aprender mais sobre os problemas que assolaram a primeira etapa de sua jornada.

Os veteranos de voos espaciais Suni Williams e Butch Wilmore chegaram à estação espacial a bordo da Starliner em 6 de junho. A Nasa inicialmente projetou que sua estadia duraria cerca de uma semana.

Mas os problemas que o veículo experimentou no caminho, incluindo vazamentos de hélio e propulsores que pararam abruptamente de funcionar, levantaram questões sobre como será a segunda metade da missão.

Williams e Wilmore agora retornarão não antes do início julho, anunciou a Nasa na noite da sexta-feira (21), estendendo sua missão para pelo menos 20 dias enquanto os engenheiros correm para obter uma melhor compreensão dos problemas da espaçonave enquanto ela está seguramente acoplada à estação espacial.

As autoridades disseram que não há razão para acreditar que a Starliner não será capaz de trazer os astronautas de volta para casa, embora “realmente queiramos analisar todos os dados restantes”, disse Steve Stich, gerente do Programa de Tripulação Comercial da Nasa, em uma conferência de imprensa na terça-feira .

Enquanto isso, a Boeing procurou enquadrar a missão como um sucesso e uma oportunidade de aprendizado, embora tenha deixado a equipe da Starliner lidando com o lado “não planejado” da missão, como disse Mark Nappi, vice-presidente e gerente do programa Starliner da Boeing, na terça-feira (19).

Não é incomum que astronautas prolonguem inesperadamente sua estadia a bordo da estação espacial – por dias, semanas ou até meses. A Nasa também disse que a Starliner pode passar até 45 dias no laboratório orbital, se necessário, de acordo com Stich.

Mas a situação cria um momento de incerteza e constrangimento que se junta a uma longa lista de erros semelhantes do programa Starliner da Boeing, que já está anos atrasado. Também se soma a um coro de notícias desfavoráveis que têm seguido a Boeing como empresa há algum tempo.

Um final de roer as unhas

Engenheiros da Boeing e da Nasa disseram que estão optando por deixar a Starliner — e, com ela, Williams e Wilmore — a bordo da estação por mais tempo do que o esperado, principalmente para realizar análises adicionais. Os vazamentos de hélio e problemas nos propulsores ocorreram em uma parte do veículo que não foi projetada para sobreviver à viagem de volta do espaço, então as equipes da missão estão adiando o retorno da espaçonave como um esforço final para aprender tudo o que puderem sobre o que deu errado.

O perigo espreita sempre que uma espaçonave retorna do espaço. É talvez o trecho mais perigoso de qualquer missão espacial.

A viagem exigirá que a Starliner entre na atmosfera espessa da Terra viajando a mais de 22 vezes a velocidade do som. O processo fará com que a parte externa da espaçonave atinja cerca de 3 mil graus Fahrenheit.

Então, um conjunto de paraquedas — que a Boeing redesenhou e testou recentemente em janeiro — deve desacelerar a cápsula com segurança antes que ela atinja o solo. (A Starliner será a primeira cápsula fabricada nos EUA a pousar no solo em vez de cair no oceano. A Boeing espera que essa abordagem facilite a recuperação e a reforma da Starliner após o voo.)

Uma série de contratempos

A jornada da Starliner até esta histórica missão tripulada de teste começou em 2014, quando a Nasa escolheu tanto a Boeing quanto a SpaceX para desenvolver uma espaçonave capaz de levar astronautas à Estação Espacial Internacional.

Na época, a Boeing era vista como o gigante aeroespacial que provavelmente completaria a tarefa primeiro, enquanto a SpaceX era a novata imprevisível.

Ao longo da última década, no entanto, as marés mudaram.

A espaçonave Crew Dragon da SpaceX completou com segurança sua primeira missão tripulada — que pareceu ocorrer sem problemas — em 2020. E o veículo tem voado regularmente astronautas e clientes pagantes desde então.

Os dois astronautas que pilotaram o voo inaugural da Crew Dragon — Bob Behnken e Doug Hurley — também permaneceram a bordo da estação espacial por mais tempo do que o esperado, somando mais de 60 dias em vez do breve período esperado para tais voos de teste.

Mas a estadia de Hurley e Behnken foi estendida para que os astronautas pudessem ajudar com as atividades diárias a bordo da estação espacial, que na época estava com pouca equipe. A extensão não estava diretamente relacionada a problemas específicos de software ou hardware com a Crew Dragon da SpaceX.

Problemas com a espaçonave, por outro lado, têm manchado o programa Starliner da Boeing praticamente em todos os passos. O veículo enfrentou anos de atrasos, contratempos e custos adicionais que custaram à empresa mais de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5,4 bilhões), de acordo com registros financeiros públicos.

A primeira missão de teste da Starliner, voada sem tripulação no final de 2019, foi repleta de erros. O veículo falhou em órbita, um sintoma de problemas de software que incluíram um erro de codificação que ajustou o relógio interno em 11 horas.

Um segundo voo de teste sem tripulação em 2022 descobriu problemas adicionais de software e problemas com alguns dos propulsores do veículo.

Stich, o gerente do programa da Nasa, indicou durante uma conferência de imprensa em 6 de junho que é possível que os engenheiros não tenham resolvido completamente esses problemas de 2022.

“Achávamos que havíamos resolvido esse problema”, disse Stich, acrescentando, “Acho que estamos perdendo algo fundamental que está acontecendo dentro do propulsor.”

Michael Lembeck, professor associado de prática de engenharia aeroespacial na Universidade de Illinois Urbana-Champaign, que foi consultor da divisão de voos espaciais da Boeing de 2009 a 2014, disse à CNN que seria difícil determinar se testes adicionais em terra poderiam ter detectado os problemas nos propulsores em questão.

Mas Lembeck enfatizou que avaliar o sucesso desta missão de teste não é tão simples quanto compará-la diretamente com o voo inaugural tripulado da Crew Dragon da SpaceX.

Por exemplo, ele disse que a cápsula de carga Dragon da SpaceX — a predecessora direta da Crew Dragon — completou mais de uma década de missões de carga não tripuladas para a estação espacial antes da Crew Dragon decolar.

“A SpaceX teve uma vantagem inicial com o programa de carga”, disse Lembeck. “Acho que eles têm uma vantagem que a Boeing não teve. A Boeing meio que teve que construir um veículo tripulado do zero.”

No entanto, se esta missão de teste da Starliner encontrar novos contratempos, isso poderia colocar a Boeing em uma situação em que teria que depender de sua rival para trazer Williams e Wilmore de volta para casa.

“O plano B constrangedor é que uma Crew Dragon teria que ir buscar os astronautas”, disse Lembeck. A espaçonave “poderia ser enviada com dois tripulantes e retornar com quatro — e essa provavelmente seria a forma de voltar para casa.”

Problemas mais amplos da Boeing

Executivos da Boeing têm repetidamente procurado deixar claro que o programa Starliner opera de forma independente das outras unidades da empresa — incluindo a divisão de aeronaves comerciais que tem estado no centro de escândalos há anos.

“Temos humanos voando neste veículo. Sempre levamos isso muito a sério”, disse Nappi durante uma coletiva de imprensa em abril antes do voo da Starliner.

Na época, Nappi também declarou que a equipe da Starliner estava operando em “performance máxima” e “realmente ansiosa para executar” uma missão segura.

Quando questionado sobre essa afirmação na terça-feira, Stich, o executivo da Nasa, disse que os oficiais da Boeing e da agência espacial sempre esperaram encontrar questões adicionais que precisavam ser resolvidas durante este voo de teste.

Williams mencionou essa expectativa durante uma coletiva de imprensa pré-voo, dizendo: “Sempre encontramos coisas, e vamos continuar encontrando coisas.

“Nada será absolutamente perfeito enquanto voamos a espaçonave. …Sentimo-nos muito seguros e confortáveis com a forma como esta espaçonave voa, e temos procedimentos de backup caso precisemos deles”, disse Williams.

Stich, no entanto, reconheceu na terça-feira que a Boeing e a Nasa poderiam ter evitado alguns dos problemas que a Starliner encontrou: “Talvez pudéssemos ter feito testes diferentes em terra para caracterizar alguns dos (problemas com os propulsores) antecipadamente”, disse ele.

Aviões da Nasa podem reinventar as viagens comerciais até 2030

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://canalcomq.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp