22/06/2024 às 19h04min - Atualizada em 25/06/2024 às 09h25min

Comportamento homossexual entre animais é subnotificado na ciência, diz estudo

Observações desse comportamento entre animais do mesmo sexo datam dos séculos 18 e 19, mas a pesquisa sobre o assunto só progrediu nos séculos 20 e 21

CNN Brasil
https://www.cnnbrasil.com.br/tecnologia/comportamento-homossexual-entre-animais-e-subnotificado-na-ciencia-diz-estudo/
Dois elefantes africanos machos exibem comportamento homossexual em Tsavo, Quênia - Sergio Pitamitz/VWPics/Universal Images Group via Getty Images


O comportamento sexual entre indivíduos do mesmo sexo foi observado em mais de 1.500 espécies animais, mas um novo estudo descobriu que ele está sendo grandemente subnotificado pelos pesquisadores.

Observações desse comportamento entre animais do mesmo sexo, como montagens sexuais e toques genitais, datam dos séculos 18 e 19. No entanto, a pesquisa sobre o assunto só progrediu nos séculos 20 e 21.

Em um estudo publicado na quinta-feira na revista PLOSOne, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Toronto (Canadá), da Universidade Northwestern (nos Estados Unidos) e da Universidade de Varsóvia (Polônia) descobriu que os especialistas que estudam o comportamento animal estão subnotificando e raramente publicando suas observações sobre o comportamento sexual entre indivíduos do mesmo sexo.

O estudo entrevistou 65 especialistas e descobriu que 77% deles observaram comportamentos sexuais entre indivíduos do mesmo sexo nas espécies que estudaram. Mas apenas 48% coletaram dados sobre esses comportamentos e ainda menos — apenas 18% — publicaram artigos sobre essas descobertas.

“Muitos respondentes relataram que a falta de registro de dados ou de publicações sobre o SSSB [comportamento sexual entre indivíduos do mesmo sexo na sigla em inglês] se devia à percepção de que era muito raro”, disse Karyn Anderson, doutoranda em antropologia evolutiva na Universidade de Toronto, que liderou o estudo, à CNN. “Quando analisado em uma escala mais ampla, descobrimos, em vez disso, que era muito comumente observado pelos nossos participantes da pesquisa.”

A noção de que esses comportamentos sexuais são raros no reino animal tem sido, e continua a ser, usada em debates sobre a ética da homossexualidade humana, observou o estudo.

Anderson diz que seu estudo, como outros sobre o comportamento sexual entre indivíduos do mesmo sexo em animais, descobriu que esse comportamento é, de fato, “generalizado e natural no reino animal”.

No entanto, o comportamento homossexual continua a ser descoberto entre diferentes espécies. Em 2018, foi registrado o primeiro relato de sexo entre macacos-aranha machos. Nesse mesmo ano, dois pinguins Gentoo machos fizeram manchetes por “adotarem” um ovo que havia sido abandonado por um casal de pinguins macho-fêmea.

O campo parece estar maduro para futuras pesquisas — das espécies identificadas como envolvidas em comportamentos entre indivíduos do mesmo sexo na pesquisa, quase 39% não tinham relatos anteriores desses comportamentos, segundo os autores.

Josh Davis, escritor de ciência do Museu de História Natural de Londres e autor do livro “A Little Gay Natural History” (uma pequena história natural gay) não ficou surpreso com as descobertas do estudo, mas disse que achou “bastante empolgante” ter os dados para provar esses números.

“O comportamento homossexual foi oficialmente registrado para cerca de 1.500 espécies de animais, mas acho que por muito tempo a maioria das pessoas suspeitou que isso provavelmente era uma subestimação enorme”, disse ele à CNN. “Porque é encontrado em quase todos os ramos da árvore evolutiva… desde besouros e borboletas, até lagartos e esquilos.”

Ao identificar essa lacuna na pesquisa, Anderson diz que espera que outros mamalogistas sejam encorajados a publicar seus estudos sobre comportamentos sexuais entre indivíduos do mesmo sexo.

Por que tão subnotificado?

Embora os autores tenham levantado a hipótese de que desconforto ou razões sociopolíticas possam contribuir para a subnotificação dos comportamentos sexuais entre indivíduos do mesmo sexo, eles não encontraram esse motivo entre os pesquisadores que entrevistaram.

Em vez disso, os entrevistados disseram que isso poderia ocorrer porque esses comportamentos sexuais eram raros ou não eram uma prioridade de pesquisa para seus laboratórios. A maioria de suas observações seria considerada “anedótica” em vez de resultado de um estudo sistemático, talvez tornando as revistas científicas menos inclinadas a publicar suas descobertas.

Davis acrescentou que existem outros obstáculos que dificultam a documentação dos comportamentos entre indivíduos do mesmo sexo entre os animais.

“Historicamente, houve definitivamente medos entre os pesquisadores de que, se publicassem sobre esses comportamentos, poderiam então ser associados a esses comportamentos”, disse ele, embora isso tenha “melhorado com o tempo”.

Outro desafio para os pesquisadores é que, quando observam atividade sexual em espécies, nem sempre é claro o sexo do animal. “Há uma suposição subjacente de que, quando estão vendo isso, estão assistindo a um macho e uma fêmea”, disse Davis.

“A maior conclusão desta pesquisa é que o comportamento sexual entre indivíduos do mesmo sexo é amplamente observado entre os mamíferos, mas não amplamente relatado”, explicou Anderson, que acrescentou que “isso poderia ser verdade para outros comportamentos que são percebidos como raros, mas são encontrados com mais frequência quando observados em uma escala mais ampla.”

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://canalcomq.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp