18/01/2024 às 10h20min - Atualizada em 20/01/2024 às 00h01min

Saúde da coluna dos adolescentes: como tratar a escoliose por telerreabilitação

As restrições impostas pela pandemia tornaram a adoção da tecnologia remota uma realidade para assistência do paciente aos cuidados de sua saúde 

Unisa
Divulgação


A telerreabilitação tornou-se um recurso importante após o surto da pandemia da COVID-19, no qual envolve a assistência virtual do paciente na realização do tratamento com exercícios terapêuticos, por meio da tecnologia, em especial, aos pacientes que têm acesso limitado ao atendimento fisioterapêutico das doenças direcionadas a coluna vertebral, como é o caso da escoliose. 

Com o objetivo de compreender melhor a efetividade da assistência por telerreabilitação em relação a assistência presencial do tratamento fisioterapêutico especifico para adolescentes com escoliose, a pesquisadora do Mestrado em Ciências da Saúde, professora e Diretoria de Pesquisa e Internacionalização da Universidade Santo Amaro (UNISA), profa. Dra. Ana Paula Ribeiro, orientou a realização de um estudo com finalidade de comparar os efeitos de um programa de reabilitação tradicional (presencial) e telerreabilitação (online) sobre a curvatura escoliótica de adolescentes com escoliose idiopática durante o período de pandemia da COVID-19.    

O programa verificou também a aceitabilidade, adequação e viabilidade entre pacientes e fisioterapeutas em relação a ambos os tratamentos. De acordo com a profa. Dra. Ana Paula Ribeiro, dentre as doenças osteomusculares, os adolescentes com escoliose idiopática necessitam de atenção especial, dada a necessidade de assistência, devido à fase de maturidade esquelética, que pode resultar em progressão da curvatura em escoliótica.  

“Muitas complicações podem estar associadas à progressão da curvatura escoliótica, tais como: a disfunção pulmonar, a dor crônica na coluna, a deformidade vertebral e as mudanças de fatores psicossociais, os quais resultam em gastos com serviços de saúde direcionados ao tratamento conservador ou cirúrgico. Pontos estes, que viabilizaram a importância do tratamento fisioterapêutico por telerreabilitação aos pacientes com dificuldades de acesso a assistência presencial para os cuidados do tratamento da doença.”, informa a professora Ana Paula Ribeiro.  

Recentemente, a pesquisadora publicou o estudo no Journal of Rehabilitation Medicine e concluiu que os adolescentes acometidos pela doença apresentaram reduções no ângulo de Cobb (curvatura escoliótica) tanto com a telerreabilitação quanto com o programa de reabilitação tradicional. A intervenção foi aceitável, apropriada e viável para pacientes e fisioterapeutas. Assim, o efeito do programa de reabilitação, ministrado via telerreabilitação durante a pandemia de COVID-19, foi encorajador para futuras aplicações, devido à melhoria na redução do ângulo de Cobb, prevenindo a progressão da escoliose nestes pacientes   

A pesquisa contou com a colaboração de discentes do Mestrado em Ciências da Saúde e dos membros de equipe do seu Laboratório de Biomecânica e Reabilitação Musculoesquelética na Universidade Santo Amaro (UNISA), uma das principais faculdades médicas do país. O estudo teve também a colaboração da equipe Escoliose Brasil, do departamento de Fisioterapia da Universidade de São Paulo (USP) e dos membros do grupo de coluna do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo. Os autores do estudo foram: Rodrigo Mantelatto Andrade, Bruna Gomes Santana, Ariane Verttú Schmidt, Carlos Eduardo Barsotti, Marina Pegoraro Baroni, Bruno Tirotti Saragiotto e Ana Paula Ribeiro 

Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://canalcomq.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp