05/01/2024 às 15h17min - Atualizada em 07/01/2024 às 00h00min

Você sabe avaliar uma startup para considerá-la um investimento seguro?

Executivos do M&P Group, holding de startups de comunicação, mídia e inovação, dão dicas de como uma startup deve se apresentar para investidores

FSB Comunicação
https://www.linkedin.com/company/meneportellagroup/
Foto: Pixabay


São Paulo, janeiro de 2024 - Mensurar o valor de uma empresa para considerá-la ou não um bom investimento não é fácil e envolve uma série de fatores. Mas fazer essa mesma análise de mercado para uma startup é ainda mais difícil, já que a maioria dessas empresas ainda estão em fase de desenvolvimento do negócio, sem resultados de lucros e previsibilidade.

Como então garantir que determinado investimento em uma startup dará ou não o retorno esperado? Ao avaliar inicialmente uma startup, é preciso entender com profundidade a proposta de valor da empresa, o mercado que ela deseja entrar e se há demanda para a solução que a startup oferece.

“As startups em estágios iniciais devem trazer no seu pitch comercial um modelo de negócio claro, com números de mercado, nicho pretendido, quais as estratégias de growth e diferenciais que a colocam em vantagem competitiva”, diz Nilio Portella, investidor-anjo e cofundador do M&P Group, holding de startups que atua no mercado de mídia, comunicação e inovação.

Túlio Mêne, cofundador do M&P Group, investe em startups em estágio inicial (early stage), vai além e diz que o valuation (avaliação de empresa em inglês) não pode servir de parâmetro na hora de avaliar o investimento em uma startup. “Investidores-anjo olham o futuro que a startup pode proporcionar de retorno, analisando nicho de mercado, modelo de negócio, concorrentes, público-alvo, estratégias de growth, fluxo de caixa descontado e se a solução terá aceitação do consumidor”, explica Mêne.

Outros fatores importantes também são levados em conta pelos investidores-anjo na hora de aportar capital em uma startup, como a expertise da equipe, agilidade dos fundadores na resolução de problemas, e a condução da gestão da empresa. “Se uma empresa vai para uma rodada de negócios, seus fundadores precisam explicar no detalhe onde irão alocar os recursos, para quais finalidades e apresentar os principais KPIs e OKRs da companhia. Importante que sejam factíveis”, ressalta Portella.

“Não adianta termos uma apresentação linda e magnífica, se não enche os olhos de quem quer investir. De forma bem objetiva, o que o investidor quer saber é qual o problema que a startup resolve, se a proposta de valor é diferente do que já existe no mercado, se terá aceitação do target e quais as estratégias de aceleração do negócio. Não precisa reinventar a roda”, completa Mêne.


Sobre o M&P Group

O M&P Group é uma das principais holdings de mídia e inovação do país. Criado há 16 anos, a partir da agência de publicidade Mene Portella, o conglomerado possui mais de dez empresas especializadas no mercado de criação, produção, distribuição e proteção de conteúdo; gerenciamento de carreiras de influenciadores e creators. Entre as empresas do grupo estão One Big Media Group, Trakto; Oinc Filmes; Non Stop e Bossa Invest.



 Informações à imprensa - FSB Comunicação

Vanessa Costa | (51) 98274 - 4949| [email protected]  

Renata Nascimento | (11) 95166 - 7386 |  [email protected]

Daya Lima - Diretora de Núcleo | (11) 98207-5278 |  [email protected] 


Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://canalcomq.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp