09/01/2024 às 10h20min - Atualizada em 10/01/2024 às 14h01min

Acromatopsia: o que é a cegueira das cores

Atriz americana que interpretou uma jovem cega em minissérie indicada ao Globo de Ouro é portadora de doença que a leva a enxergar apenas tons de cinza

Lia Lopes
www.hobr.com.br
Divulgação


Lançada no ano passado na Netflix, a minissérie "Toda a Luz que Não Podemos Ver" emocionou muita gente e logo ficou entre os dez mais assistidos da plataforma, tanto que recebeu indicação ao Globo de Ouro 2024 na categoria Melhor Minissérie. A premiação celebra os melhores do cinema e televisão no mundo aconteceu no domingo, 7/1, em Los Angeles, nos Estados Unidos. Baseada no livro homônimo do norte-americano Anthony Doerr, a trama conta a história de Werner, um órfão alemão com habilidades em rádio, e Marie-Laure, uma jovem francesa cega cujas vidas se entrelaçam durante a Segunda Guerra Mundial.  Apesar de não ter levado o prêmio, a produção chamou atenção também para a atriz estreante que interpreta Marie -Laure na fase adulta, a americana Aria Mia Loberti, que não é realmente cega, mas sofre de acromatopsia, uma doença genética que impede que seu portador identifique cores.  “Acromatopsia é uma alteração da retina que provoca sintomas como baixa acuidade visual, fotofobia, movimento involuntário dos olhos e dificuldade para enxergar cores, como se a pessoa visse tudo em tons de cinza”, explica o oftalmologista Vinicius Kniggendorf, especialista em Retina e Vítreo no Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB), empresa do Grupo Opty no Distrito Federal.
O médico observa que a acromatopsia pode acontecer tanto em homens como em mulheres e é comumente confundida com o daltonismo, apesar de terem características bem diferentes, e ressalta as dúvidas mais comuns sobre essa condição:

O que causa acromatopsia?
A acromatopsia ou monocromatismo é uma anomalia congênita caracterizada pela ausência ou mau funcionamento das células fotorreceptoras da retina(cones). É uma condição extremamente rara.

Qual a diferença entre acromatopsia e daltonismo? Quais são os sintomas característicos e como é diagnosticada clinicamente?
Diferente do daltonismo – que é uma condição visual que leva à confusão entre algumas cores, mais comumente o vermelho e o verde - acromatopsia é caracterizada pela ausência de percepção das cores. Portadores de acromatopsia completa enxergam em preto, branco e tons de cinza. Já os indivíduos que apresentam o tipo incompleto têm percepção de algumas poucas cores. O diagnóstico geralmente é feito através de exames oftalmológicos abrangentes, incluindo testes de visão de cores e avaliação da função retiniana.

É uma doença genética ou adquirida?
Geralmente, a cegueira de cores surge desde o nascimento, tendo uma alteração genética como causa principal. Em casos mais raros, porém, tumores e/ou lesões no cérebro podem levar ao desenvolvimento da doença.

Quais são as opções de tratamento disponíveis para pessoas com acromatopsia?
Atualmente, não há uma cura definitiva para a acromatopsia, mas existem estratégias de gestão. Isso pode incluir o uso de óculos especiais para reduzir a sensibilidade à luz intensa, dispositivos auxiliares e, em alguns casos, intervenções para melhorar a visão noturna.

Como a acromatopsia pode impactar a qualidade de vida dos pacientes?
A acromatopsia pode afetar significativamente a capacidade do paciente de distinguir objetos, reconhecer faces e realizar tarefas dependentes de cor. A sensibilidade à luz também pode tornar ambientes brilhantes desconfortáveis. Estratégias de adaptação e suporte psicossocial podem ser importantes para melhorar a qualidade de vida.

Há perspectivas para tratamentos futuros?
Embora não haja cura definitiva no momento, os avanços na compreensão genética da condição oferecem perspectivas promissoras para desenvolvimentos futuros em tratamentos específicos.

Sobre o Opty
O Grupo Opty nasceu em abril de 2016, a partir da união de médicos oftalmologistas apoiados pelo Pátria Investimentos, que deu origem a um negócio pioneiro no setor oftalmológico do Brasil. O grupo aplica um novo modelo de gestão associativa que permite ampliar o poder de negociação, o ganho em escala e o acesso às tecnologias de alto custo, preservando a prática da oftalmologia humanizada e oferecendo tratamentos e serviços de última geração em diferentes regiões do País. Nesse formato, o médico mantém sua participação nas decisões estratégicas e concentra seu foco no exercício da medicina.
Atualmente, é o maior grupo de oftalmologia da América Latina, agregando 28 marcas, totalizando 85 unidades, aproximadamente 3000 colaboradores e 1400 médicos oftalmologistas. Além das marcas próprias HOBrasil (BA, DF, RJ e SP) e Centro Oftalmológico Dr. Vis (PE, RJ, SP e SC), fazem parte dos associados: o Hospital Oftalmológico de Brasília (DF), Hospital de Olhos INOB (DF), Hospital de Olhos do Gama (DF), Visão Hospital dos Olhos (DF), Instituto de Olhos Freitas (BA), o DayHORC (BA), Instituto de Olhos Villas (BA), Oftalmoclin (BA), Oftalmodiagnose (BA), Hospital de Olhos Santa Luzia (AL), Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem (SC), Centro Oftalmológico Jaraguá do Sul (SC), Sadalla.Smart (SC), HCLOE (SP), Visclin Oftalmologia (SP), Eye Center Oftalmologia (RJ), COSC (RJ), Oftalmax Hospital de Olhos (PE), UPO Oftalmologia – Unidade Paulista de Oftalmologia (SP), HMO – Hospital Medicina dos Olhos (SP), Instituto da Visão (SP), Visão Center (PE), Íris Oftalmo (PE), SEOPE (PE) e CEOP – Centro de Olhos do Pará (PA).

Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://canalcomq.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp